Quarta-feira, 22 de Setembro de 2010

[reflexão] Família e Aprendizagens Escolares, que relação?

 

Trabalhos de casa, trabalhos de grupo, matemática, português, inglês, ciências… desafios para as crianças, onde a família é chamada a intervir. Qual a importância desta intervenção e como desenvolve-la? Qual o papel da família na aprendizagem escolar? São perguntas a que a psicoterapeuta Conceição Nobre Rodrigues, responde numa entrevista para a revista Família Cristã.

 

 

Se é verdade que a família é a primeira instância de referência, também é verdade que é principalmente quando se sai «debaixo das asas» dos pais que se aprende a voar. A escola é um local privilegiado de aprendizagem, ou melhor, de aprendizagens.

Todos compreendemos que, para quem tem o mundo como espaço de recreio e cada minuto como tempo de brincadeira, não é fácil habituar-se a um tempo e a um espaço de trabalho e aprendizagem que depois de iniciado “vai acompanhar a criança, o adolescente e o adulto durante grande parte da sua vida”, como ilustra a psicoterapeuta Conceição Rodrigues. Este é um dos aspectos em que o papel e a figura presente dos pais se revela de extrema importância no processo de aprendizagem de crianças e adolescentes.

Dado este primeiro passo, os pais assumem papel de relevo como “facilitadores” do processo de aprendizagem, de modo a que o espaço e o tempo da escola sejam bem aproveitados para o desenvolvimento das crianças, a todos os níveis. Conceição Rodrigues reconhece que em matéria de aprendizagem em família a palavra de ordem é “dilema”, pois há que conseguir compatibilizar as exigências profissionais com as familiares. A metodologia de ensino-aprendizagem em Portugal dá uma ênfase especial ao trabalho realizado em casa que requer, sobretudo nos primeiros anos do ensino básico, a participação dos pais. Esta participação é essencial, não só pela ajuda na transmissão e assimilação de conhecimentos, mas também na construção de uma personalidade segura, harmoniosa e confiante. “Apesar das crianças passarem cada vez mais tempo na escola, o que por si só já não é benéfico para o seu desenvolvimento, não deverão ser apenas os professores a educar, a formar os nossos filhos. Os professores, a meu ver, têm uma missão fundamental, serem professores, e não pais, psicólogos, terapeutas da fala… Um professor não pode ser tudo, ele tem uma missão e a sua missão mais importante é ensinar.» adverte Conceição Nobre Rodrigues.

 

 

Aprender com os pais

Mais do que ajudar as crianças a resolver exercícios, os pais podem ser extremamente úteis na transmissão de métodos de trabalho. Conceição Nobre dá exemplos de como se pode estimular a criação de métodos de estudo. “Obviamente que a nossa intervenção bem feita não é fazer o trabalho por elas, é ensiná-las a trabalhar, estimular a comunicação, estimular o espírito de grupo, ensiná-las a repartir tarefas, a procurar na internet, a procurar numa enciclopédia, etc. Quando nós fazemos isso estamos a estimular uma série de aspectos que vão ser fundamentais para a vida dos nossos filhos, os hábitos e métodos de trabalho.»

Finalmente, um aspecto talvez menos abordado, mas igualmente importante no processo de aprendizagem em família é o da preparação dos pais. E quando eles não sabem tudo? É muito importante não deixar que alguma falta de conhecimento ou preparação inverta os papéis. Enquanto pais, o seu envolvimento no processo de aprendizagem é igualmente importante, tenham tirado o 9º ano ou um doutoramento. “Essa posição de minimização e de coitadinho não costuma ser boa, porque isto, de alguma forma, significa uma inversão de papéis, é como se o adolescente deixasse de o ser para passar a assumir uma figura mais parental e o pai e a mãe passassem a assumir uma figura “acriançada”. Cada coisa no seu lugar; pai é pai, mãe é mãe, filho é filho”, adverte a psicoterapeuta.

 

 

A importância dos irmãos

Os irmãos, neste caso os mais velhos, poderão ser uma mais-valia no processo de aprendizagem das crianças. Eles podem servir de elo de ligação entre a escola e a família.

Os irmãos mais velhos podem também assumir, à semelhança dos progenitores, um papel de facilitadores da entrada na escola, já conhecem as rotinas, os métodos de trabalho e por vezes os professores, auxiliares e também outras crianças.

Contudo, é também preciso algum cuidado neste papel de irmãos mais velhos. Conceição Rodrigues valoriza esta relação e considera-a saudável, desde que não se torne «prática da casa». Uma coisa é pedir ajuda aos mais velhos para «darem uma mãozinha» aos mais novos, outra coisa é “parentalizar” uma criança. «Eu não acredito na sobrecarga. Tudo o que significa uma parentalização de quem ainda não tem idade para ser pai e mãe, significa responsabilidade excessiva. Significa pôr os bibelôs numa prateleira onde eles não cabem bem. Quando abanamos, mesmo que ao de leve, a prateleira, os bibelôs caem no chão e estilhaçam se porque não estavam seguros!”

 

 

PASTAS:
publicado por linharelacoesfamiliares às 12:47
link do post | comentar | favorito

A LINHA DE RELAÇÕES FAMILIARES

é o seu espaço na net para reflectir e partilhar sobre as relações familiares e o seu impacto no bem-estar e na saúde.

A PH+

é uma empresa cujo projecto é contribuir para o DESENVOLVIMENTO DO POTENCIAL HUMANO dos seus clientes, apoiando e aconselhando pessoas com problemas nas esferas comportamental, emocional e relacional; promovendo o desenvolvimento de pessoas, famílias, grupos, organizações, instituições e comunidades, através de programas terapêuticos, consultoria, formação e coaching. www.phmais.pt

QUESTÕES

Pode colocar-nos as suas questões. Pode "comentar" os posts do blog ou enviar um e-mail para relacoesfamiliares@phmais.pt. As questões seleccionadas serão respondidas pela nossa equipa neste espaço, de forma anónima. No caso de não querer que a sua questão seja publicada mencione-o no seu e-mail e responderemos directamente para si.

ORGANIZAÇÃO

Para facilitar a leitura e a participação organizámos os posts em 3 categorias: 1) Reflexão (ideias sobre as relações familiares que podem ser discutidas e contestadas), 2) Sugestões (produtos e serviços com interesse para o tema das relações familiares) e, 3) Questões (perguntas comuns na clínica com famílias e respostas simples a essas perguntas, sem esquecer que cada caso é único).

TEMAS RECENTES

[reflexão] E quando algo ...

[reflexão] Voluntariado!

[sugestão] Livro Positiva...

[reflexão] A família e es...

[reflexão] Ano Novo!

[questão] E quando os pai...

[reflexão] Família e Apre...

[reflexão] Diferenças de ...

[reflexão] O Amor Românti...

[sugestão] Museus em Famí...

PASTAS

questão

reflexão

sugestão

todas as tags

ARQUIVOS

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

PESQUISAR NESTE BLOG

 

subscrever feeds